terça-feira, 18 de agosto de 2009

Eita
Homi cascorento miudo que nem uma pulga
Fedorento e de fedô que não sai faç
A gent canso de dizê isso tem cara de senado
Mas cumpadi não deu assunto
Entro na venda e vistorio tudo sem muito medo de erra
O marmota andava cuns braço pra trás suspiranô hum rum rum
De volta e meia, tacava o dedo na testa na simaderâ de ta pensando
Nós rôcero de mais que vimo aqui foi Francelino com cara de gent robadô.
Paro la pelo mei da venda e falo assim assim sem fala mais alto ou mais baixo
“É rum de fato” vixe que agonia nem sabia se era crente, mas os palitó tava palmo pra baixo da barriga, assim num é pois crente dito pastô era palmo pra cima.
Xôlinha avento dize que o homi era maçônico, e na hora fizemo nome do pai.

2 comentários:

  1. BOOOOOOOOOOM!

    Guimarãezinho!

    Gostei muitttttttttttttt

    ResponderExcluir
  2. Olinconfrênico, tá chique na blogsfera hein... Bem vindo.

    ResponderExcluir